24 de agosto de 2013

Onde está o Macho?




Atualmente olhando alguns casais fica difícil de identificar quem é o macho alfa da relação. Alguns homens estão mais pra coelhos, submissos e acomodados, que para lobos. Transferem para a companheira a posição que é do homem ou pelo menos deveria ser.

O excesso de intimidade ou talvez a liberdade de comportamento, torna a relação ambígua. Aquela coisa de fazer as necessidades fisiológicas na frente da parceira, soltar pum por exemplo. Isso com certeza não é intimidade e qualquer mulher questionada vai concordar.

Ser confundida com a mãe do sujeito, então, é triste. O cara espera que você cuide dele, como a mãe cuidaria. Esse comportamento é comum, tem homem chamando a mulher de mãe, com a desculpa de que os filhos devem apreender assim. Esse sujeito dever ser questionado: "você transa com a sua mãe?". Qual mulher gostaria de ser tratada assim? Qual mulher gostaria de viver com um sujeito que pede que você escolha o que ele vai usar, aonde irão e até mesmo quando, o tempo todo. Ser convidada a participar das decisões e das escolhas é prazeroso, o que não dá é fazer o papel de mãe.

Ontem presenciei uma cena deprimente de um sujeito discutindo com a mulher, no laboratório, porque o exame que ele iria fazer não seria possível, dado ao fato de que o pedido de exame era cópia e o laboratório só aceitava original. Ficou claro que era a responsabilidade da mulher marcar e verificar essas informações. Pasme. Que constrangedor para esse cara, que babaca. Será que esses homens não percebem que esse tipo de comportamento depõe contra eles e que essa mulher moderna e independente pode até aceitar por um tempo esse comportamento infantil, mas com certeza vai cansar.

Ser mimado e cuidado é maravilhoso, agora tornar isso uma dependência emocional é grave e patético.
Que saudades as mulheres tem do Macho alfa. Aquele homem seguro, com mãos fortes, que flerta antes de beijar. Que toma as próprias decisões, mas respeita você. Sabe presentear, não espera ser cobrado para ter alguma ideia brilhante sobre o que comprar para uma mulher que deveria conhecer.

Aqueles com olhos intensos, que faz a mulher sentir-se nua estando vestida, mas com toda a elegância.

É por essas razões o sucesso de livros como "Cinquenta tons de cinza" é enorme. Quem não se apaixonaria por Christian Grey, Gideon Cross ou mesmo Emerson Gabriel? O que esses homens têm em comum? A resposta, com certeza, é masculinidade. Ouvi várias pessoas dizerem "as mulheres gostam do sexo selvagem com o cara que tem muita grana". Que piada, com certeza os homens é que deveriam ler esse tipo de livro, para se inspirar e perceber que esse detalhe não foi o marco na leitura, e sim o fato de percepção e comparação com os homens fictícios e o homem atual, um ogro. Esse romance, com certeza, agradou e o sexo envolvido no enredo só apimentou.

Lógico que esses personagens não existem, houve exagero dos autores em retratá-los com tanta perfeição, seja física, financeira ou pessoal. Contudo, o que mais agrada é o fato deles se comportarem como homens. A proteção, o cuidado, o carinho com que suas amadas eram tratadas isso sim causam inveja.

Devemos ter a consciência e a segurança na dissociação com a ficção, mas aproveitar para observar nossos homens e desejar, porque não, que haja uma mudança e não aceitar certos comportamentos. Olho no olho e a verdade na boca ajudam muito. Falar com o coração e dizer o que incomoda mudam as coisas, não deixando de lado nossa parcela de culpa. Se esse comportamento existe ele se deve ao fato de ser, até hoje, aceito.

Assuma a sua responsabilidade e entregue ao seu parceiro a dele. Não podemos viver uma vida de expectativas, mas uma vida real.



Nenhum comentário:

Postar um comentário